4 recomendações agronômicas para ter sucesso na safra de trigo

As previsões de mercado são otimistas para a safra 2019/20, saiba como melhorar o manejo de pragas, doenças e plantas daninhas e elevar a produtividade

Espera-se que o otimismo conduza a safra de trigo 2019/20. Os preços da commodity estão em patamares mais remuneradores e os agricultores se sentem estimulados a aumentar a área cultivada e plantar com confiança. Até o momento, as expectativas são favoráveis, apontando uma retomada na colheita e produtividade. De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a previsão indica uma recuperação de produtividade de 3,8%. Espera-se que sejam cultivados 2,04 milhões de hectares de trigo no Brasil, com uma colheita de 5,63 milhões de toneladas do grão na temporada 2019/20.

 

Mudança de cenário

De acordo com o pesquisador, consultor e diretor do Grupo Floss, Luiz Floss, a safra passada foi marcada por clima desfavorável, com secas e chuvas excessivas no Paraná e Rio Grande do Sul e também a forte ocorrência de doenças. Dessa forma, houve uma redução da área cultivada e perdas na colheita. “Houve uma frustração de safra. Tivemos no ano passado uma diminuição muito grande na produção e na qualidade do trigo”, afirma Luiz Floss.

A boa notícia é que o cenário vislumbrado para a temporada 2019/20 é totalmente diferente e isso anima os agricultores. Com o dólar mais elevado, as importações de trigo são desestimuladas e os moinhos devem valorizar mais o produto nacional, elevando os valores pagos ao agricultor brasileiro. Segundo Floss, o fechamento de contratos futuros para entregas de trigo em setembro, outubro e novembro já estão aquecidos. “Temos preços mais altos e o produtor tem uma confiança maior para escolher o trigo como uma grande opção para a safra de inverno. O produtor está confiante que esse ano possa ter uma rentabilidade diferenciada”, afirma o consultor.

Para que a previsão de mercado otimista se torne uma realidade no campo, é fundamental que o produtor tenha uma boa colheita. Para tanto, deve-se planejar a safra cuidadosamente para minimizar riscos climáticos e a incidência de pragas, doenças e plantas daninhas (os produtores que buscam o apoio de agroespecialistas podem contratá-los na Rede AgroServices, veja ofertas aqui). Confira 4 recomendações essenciais para ter sucesso na safra de trigo.

 

1 - Planejamento da safra

O sucesso da safra depende de uma boa correção de solo e adubação adequada do trigo. É recomendável realizar análise de solo (resgate o serviço na Rede AgroServices aqui) para identificar a composição disponível e a necessidade de repor nutrientes como fósforo, nitrogênio, entre outros. A adubação adequada com nitrogênio, por exemplo, pode favorecer a “força de glúten”, que é um importante critério de classificação comercial do trigo. “A adubação deve ocorrer em função do potencial de produtividade, com base nos nutrientes que a planta necessita. O produtor precisa pensar em custo por tonelada de grão produzido e planejar um custo por tonelada mais baixo”, diz Floss.

O Grupo Floss oferece consultoria para o cultivo de trigo, soja, milho e feijão. Os consultores visitam a fazenda, avaliam o histórico produtivo, o tipo de solo, as tecnologias empregadas e os recursos financeiros do produtor para recomendar as melhores estratégias de cultivo. “O nosso trabalho de assessoria é um trabalho completo de planejamento das culturas de grãos para poder adequar a produtividade em função do potencial que o produtor tem e ter também melhor rentabilidade”, explica Luiz Floss.

A assessoria agronômica Grupo Floss pode ser resgatada por pontos na Rede AgroServices, confira a oferta aqui. “A consultoria constrói de forma detalhada o potencial de produtividade. Temos trabalhado com o conceito da escada da alta produtividade, que são 6 passos: equilíbrio químico e físico do solo, adubação, genética adequada, manejo fitossanitário, equilíbrio hormonal e o equilíbrio biológico para a melhor disponibilidade de nutrientes no solo”, explica Floss.

 

2 - Implantação da lavoura

Com base nas previsões climáticas para a região da fazenda e as condições de solo, o produtor deve buscar as melhores sementes de trigo, adaptadas para a região. “A genética melhorou muito e as cultivares têm um maior potencial de produtividade. É importante escolher sementes de qualidade e com vigor alto e trabalhar com uma população adequada de plantas no plantio”, afirma Floss. “A população mais baixa precisa do perfilhamento, mais nitrogênio disponível e clima frio. Eu sou a favor de uma alta densidade para definir a população de plantas já no início, favorecer o perfilhamento mais cedo e buscar mais de 500 espigas por metro quadrado.”

O plantio é uma fase essencial que determina a qualidade da colheita futura, portanto, é recomendável ter cuidado redobrado com a regulagem das plantadeiras, monitorar de perto as operações de plantio e adotar boas práticas como o tratamento de sementes. “O produtor precisa fazer um bom tratamento de sementes para proteger a emergência e tentar diminuir muito a incidência de manchas foliares”, diz o especialista.

 

3 - Plantas daninhas

Ervas daninhas como buva, nabo e azevém podem causar significativas perdas nas lavouras de trigo. “Um dos desafios que temos hoje são as plantas daninhas mais resistentes. É preciso fazer um bom controle de plantas daninhas na pré-semeadura”, afirma Floss. “Também é importante investir em produtos que tenham eficiência e com alto residual, para o produtor fazer a aplicação e ficar tranquilo.”

É necessário realizar pulverizações preventivas com herbicidas, investir em dessecação antecipada e fazer uso de tecnologias com diferentes mecanismos de ação para retardar o processo de seleção natural de plantas invasoras resistentes. Por meio de uma análise das infestações na safra anterior, o agricultor pode se preparar para combater as plantas invasoras de forma mais estratégica. O pesquisador Luiz Floss também reforça a necessidade de respeitar o momento certo da aplicação. “Muitas vezes vemos o produtor atrasando a aplicação de herbicida. Ele acha que vai economizar insumos, mas quanto mais ele retardar a aplicação, mais vai perder em produtividade”, alerta o consultor.

 

4 - O perigo das doenças

De acordo com o especialista, o controle de doenças deve iniciar cedo, com aplicações de forma sequencial, inicialmente com produtos para manejo de manchas foliares e depois para controle de giberela e brusone. “Além da giberela e brusone temos um problema sério com as manchas foliares no trigo. Recomendamos que o produtor faça aplicações de forma preventiva. O ideal é proteger a planta e com o fungicida e não doença se instale”, defende o consultor.

Ele reforça que o agricultor precisa ficar atento para prevenir doenças na safra de trigo 2019/20 e não perder a hora certa de pulverizar. “Muitas vezes o produtor acha que se entrar muito cedo com o fungicida vai ter que fazer mais aplicações, mas ele esquece que a primeira aplicação para é a mais importante para a proteção da planta”, conta Floss. “O produtor tem uma falsa ideia de que está economizando insumos, mas não sabe como perde o potencial produtivo agindo assim.”

Compartilhe!

COPYRIGHT © REDE AGRO S.A - Última atualização: 21/06/2019 (1.0.2924)