Skip links

02.08.2018

6 passos para aumentar a produtividade da soja e do milho

Invista nessas etapas essenciais para melhorar o manejo e colher mais

Os produtores rurais podem desafiar o potencial produtivo de suas lavouras de grãos e aumentar a rentabilidade da soja e do milho. Para alcançar tal objetivo, é fundamental investir em tecnologia com o intuito de aperfeiçoar o manejo do solo e melhorar a proteção dos cultivos. Confira passos essenciais para conseguir elevar a produtividade da soja e do milho.Colheita de soja. Foto: Shutterstock


1 – Manejo de solo

O solo é o principal recurso para o desenvolvimento da Agricultura. Sem dúvidas, terras férteis produzem mais. Por isso é importante realizar um manejo adequado e repor os nutrientes, exportados, necessários durante toda a safra.

 

De acordo com Amaury Cezar Macedo, presidente da Associação Brasileira dos Prestadores de Serviço de Agricultura de Precisão (ABPSAP), a Agricultura de precisão é uma ferramenta preciosa para implementar boas práticas no campo (confira serviços de Agricultura de Precisão para Resgate por pontos na Rede AgroServices aqui)


“A Agricultura de Precisão nos permite identificar os tipos de solo, analisar o perfil e aumentar o potencial produtivo. Formando um bom perfil de solo com manejo adequado, adubação verde e rotação de culturas, o produtor consegue ter maior produtividade”, afirma Macedo.

 

Embora as características físicas do solo não possam ser alteradas, as condições químicas e biológicas podem ser melhoradas com a introdução de nutrientes, micro-organismos e plantas. Segundo Macedo, em breve a Agricultura de Precisão também será capaz de identificar a atividade microbiológica do solo, de modo que permita a introdução de micro-organismos benéficos para os cultivos.

 

“A Agricultura de Precisão preconiza trabalhar com variabilidade. Com isso, o produtor consegue uniformizar o manejo do solo”, diz Macedo. “Usando amostragem de solo, mapas de colheita, imagens de satélite, NDVI e condutividade elétrica, conseguimos identificar zonas de manejo, equilibrar os nutrientes dentro do solo e aumentar a produtividade.”

 

Primeiramente, segundo o especialista, a Agricultura de Precisão, como ferramenta, auxilia o produtor na etapa de correção, antes do início do plantio. Por meio de amostragem de solo, é possível realizar a aplicação ideal de calcário, gesso, fósforo, cloreto de potássio. “Fazemos a correção de solo com foco em elevar a produtividade”, explica o especialista.

 

Durante a safra, a Agricultura de Precisão oferece suporte para a adubação em linha a taxa variável e aplicação de fertilizantes foliares. “Redistribuímos os nutrientes antes, durante e após o plantio”, diz Macedo. “Também podemos identificar outros fatores que restringem o processo produtivo, como pragas no solo”, afirma.


2 – Distribuição de plantas

Outro passo importante é estudar o arranjo e a densidade das lavouras. De acordo com Macedo, às vezes o problema não está na fertilidade do solo e para elevar a produtividade da soja ou do milho o produtor pode manejar a quantidade de plantas por metro. “Conhecendo bem o solo, conseguimos fazer um manejo varietal melhor. Se o solo for mais fértil, podemos escolher a melhor tecnologia possível [de semente] e aumentar a população das plantas”, explica o especialista.


3 – Pragas

Insetos como a falsa-medideira, a helicoverpa e o percevejo são apenas alguns exemplos dos problemas que limitam a produtividade (a Rede AgroServices oferece o serviço Patrulha Percevejo para combater o inseto, confira aqui).

 

A principal recomendação para o controle é realizar o Manejo Integrado de Pragas (MIP). Esse manejo preconiza o monitoramento por meio de técnicas como a do pano de batida, com o objetivo de identificar corretamente a praga e a infestação na lavoura. Além disso, o MIP permite utilizar um mix de produtos que engloba químicos e biológicos, com o intuito de aplicar o produto mais adequado e no momento certo.

 

De acordo com Jorge Verde, engenheiro agrônomo e consultor agroespecialista na produção de cereais, essa tecnologia precisa avançar. “De uma maneira geral, muitos não fazem o MIP. Muitos produtores querem seguir um calendário de aplicação de inseticida para cada fase da planta e podem acabar fazendo aplicações desnecessárias”, afirma Jorge Verde. “É preciso investir no monitoramento de pragas e também é importante ter uma pessoa específica e treinada para realizar esse tipo de serviço.”


4 – Doenças

O produtor não pode deixar de combater doenças como a ferrugem asiática, mancha alvo e antracnose. Há várias medidas para o controle de doenças, como, por exemplo, respeitar o Vazio Sanitário para a ferrugem asiática. Entre as orientações, Jorge Verde também aconselha prezar pela qualidade dos produtos. “Há fungicidas que já foram muito utilizados, perderam eficiência, e são oferecidos por um custo baixo. Muitas vezes o produtor quer economizar, escolhe esse tipo de produto e terá baixa performance. Aí está o grande erro”, afirma Jorge Verde. “O produtor tem que buscar um ativo eficiente.”

 

Outro erro visando economia, segundo Jorge Verde, seria retardar a primeira aplicação na lavoura. “Assim, o produtor perde o momento certo e a planta não fica protegida na fase vegetativa”, explica o engenheiro agrônomo. “Com qualquer erro desses, depois fica difícil corrigir e eles comprometem a produtividade da soja e do milho.”


5 – Aplicação de agroquímicos

Há muitos detalhes que interferem na eficácia dos defensivos, como ajustes no pulverizador, qualidade das pontas (bicos) de aplicação e tamanho de gota. “Infelizmente, os produtores mais conservadores fazem a utilização de apenas um tipo de ponta para dessecar e a utilizam até a fase final de enchimento de grão. Esse é um grande erro. O tipo de ponta (bico) não pode ser o mesmo durante toda a safra”, afirma o consultor Jorge Verde.

 

O ideal é contar com ajuda especializada para orientar a aplicação em cada etapa de produção. “O tamanho da gota é ligado à velocidade da máquina agrícola e a pressão e há muitos cálculos que precisam ser feitos. Muitos produtores ainda não estão seguindo as orientações do fabricante de pontas (bicos)”, diz o consultor. O Projeto UAI, oferecido na Rede AgroServices, é um grande aliado do produtor para melhorar o manejo. Saiba como contratar o serviço por meio do resgate de pontos aqui).


6 – Melhor gestão dos insumos

Aperfeiçoando a aplicação de agroquímicos e fertilizantes, o produtor vai evitar despesas desnecessárias com esses insumos e conseguir investir na lavoura de forma mais eficiente, com foco no aumento de produtividade. Outro exemplo é que, no caso dos irrigantes, melhorias no manejo permitem economizar no volume de água utilizada para irrigação.

 

“O produtor vai poder identificar de maneira pontual qual é a praga que ele tem na lavoura. Também vai saber se pode aplicar mais ou menos inseticida e fungicida no momento exato em cada talhão. Isso vai significar uma economia dos recursos”, afirma Macedo.

 

Leia mais sobre os serviços da Rede AgroServices

 

União dos Agrônomos Independentes (UAI)

UAI é um projeto coordenado pela Bayer em parceria com o Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb). A iniciativa forma grupos de produtores em diferentes regiões, que recebem orientações de manejo para elevar a produtividade de grãos.

 

Os participantes da iniciativa podem solicitar consultoria técnica exclusiva, por meio do resgate de pontos na Rede AgroServices. O serviço oferece um giro completo na fazenda do cliente, posicionamento de produtos e manejos personalizados para a lavoura estudada. Além disso, o consultor Jorge Verde vai apresentar novas tecnologias e tirar as dúvidas do cliente. “O grande foco do trabalho do UAI é levar conscientização sobre o que podemos melhorar nas plantações”, afirma o consultor Jorge Verde.

Saiba como resgatar o serviço aqui.

 

Patrulha Percevejo

O percevejo é uma das pragas mais agressivas que comprometem a produtividade a soja e do milho. Para combater infestações e evitar perdas financeiras, é necessário que o produtor monitore corretamente a incidência do inseto na lavoura e realize a aplicação de defensivos no momento mais adequado. A Patrulha Percevejo é um serviço de monitoramento eficaz que auxilia o produtor rural no manejo da praga. O serviço pode ser adquirido na Rede AgroServices, clique aqui para conferir as opções de resgate por pontos.

 

Computador de Bordo CIA

Os Controladores Inteligentes Agrícolas (CIA) permitem monitorar as operações no campo remotamente. O Computador de Bordo CIA, da empresa Farm Solutions, oferece dados da frota de máquinas agrícolas, como, por exemplo, a velocidade de operação de cada máquina no campo e o mapeamento do trabalho realizado nos talhões. Outro benefício é que a ferramenta também envia alertas em caso de colisões e suspeita de furto. É possível adquirir o equipamento por meio do resgate de pontos da Rede AgroServices, saiba como na página de descrição do produto aqui.

 

Agricultura de Precisão

Os produtores interessados em investir em Agricultura de Precisão (AP) podem receber o apoio da Bayer. A Rede AgroServices conta com diversos parceiros que oferecem consultoria em AP por meio do resgate de pontos. Confira as opções aqui.

 

TS on Farm

O tratamento de sementes é uma etapa importante antes do plantio. As sementes são revestidas por produtos capazes de protegê-las do ataque de pragas e doenças. Com essa proteção, as sementes podem expressar melhor germinação e vigor no campo. Para garantir que o todo o processo de tratamento seja profissional e seguro, especialmente durante o cálculo de dosagem e preparo da calda, o agricultor pode contratar o serviço TS on Farm na Rede AgroServices. Confira a lista de parceiros e informações sobre o resgate de pontos aqui.